Público

Costumo falar que nesse blog eu escrevo é pra mim.

Hoje vou confessar que isso é uma meia mentira.

Não escreveria se não quisesse. Se o assunto não me apertasse. Se não tivesse vontade de vir aqui sempre.

Mas eu escrevo muito mais pra quem eu sei que lê.

Não tenho muito controle sobre quem visita o blog. As pessoas que tem multiply, raras, aparecem em históricos detalhados. O resto, não sei nem o número. Acontecem surpresas, como visitas que meu namorado relatou, de gente que na época eu nem sabia que existia. Mas as minhas amigas me falam, comentam, dão feedback.

É assim que fico sabendo.

Tem gente que vinha diariamente e agora quase não vem. Tem gente que começou a ler agora, e vem sempre. Essas pessoas me dão uma direção do assunto, do ritmo, de como vou escrever.

Atualmente, uma amiga muito específica virou motivação. Sei que ela quer coisas novas todo os dias. E procuro dar sempre. Ela pediu objetividade, eu dei mais que devia.

Uma outra amiga até discutiu no sábado a noite, entre vinhos e pizzas, que eu estava me abrindo demais.

Meu namorado me fitou de canto de olho. Ele sempre acha que me abro demais. Não tem jeito, já falei desde o início que isso é coisa minha. Acho que hoje, é o que ele mais identifica em mim e consequentemente, no nosso namoro. Ele, por acaso, não le meu blog. Não escrevo pra ele. Na verdade, pelo contrário. Já voluntariamente não escrevi pra ele, deixei de falar dele, fugi do assunto. Combinei bem no começo que a sua visita ou não a essa página seria ignorada por mim. Se eu tiver na cabeça que ele le todos os dias, como a minha amiga, vou me travar completamente.

Prefiro como está.

Posso me abrir menos, posso ter fases mais diretas. Resolvi testar a opinião que recebi, e pedi pra alguém que não está acompanhando minhas novidades recentes que lesse o blog. A pessoa assimilou bem menos que a amiga que achou que eu estava me expondo. Justamente porque ela ja sabia de tudo, in the 1st place.

Pra outra amiga eu escrevo hoje. Ela queria novidades. Ela já sabe de todas, mas ela queria mais assunto. Queria um post pra destrinchar. Amiga, está aqui. Quando eu escrevo ultimamente, eu penso em você. Com muito carinho.

Facebook comments:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>