Lispector

Pra mim é pura ignorância e falta de respeito essa mania de citar Clarice Lispector em perfis de orkut, sem nem ao menos saber a fonte. Uma amiga querida cita um dos trechos mais lindos de Clarice, com fonte e tudo, mas ela é uma raridade no meio de páginas sem referência.

Querem as minhas últimas preferidas da Clarice?

Renda-se como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece, como eu mergulhei. Pergunte, sem querer a resposta, como estou perguntando. Não se preocupe em “entender”. Viver ultrapassa todo o entendimento.

Escrevo porque encontro nisso um prazer que não consigo traduzir. Não sou pretensiosa. Escrevo para mim, para que eu sinta a minha alma falando e cantando, às vezes chorando…

Eu escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada… Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro…

A minha preferida desde sempre está no prefácio do livro de pediatria do meu pai:

Mas se me viesse de noite uma mulher. Se ela segurasse no colo o filho. E dissesse: cure meu filho. Eu diria: como é que se faz? Ela responderia: cure meu filho. Eu diria: também não sei. Ela responderia: cure meu filho. Então – então porque não sei fazer nada e porque não me lembro de nada e porque é de noite – então estendo a mão e salvo uma criança. Porque é de noite, porque estou sozinha na noite de outra pessoa, porque este silêncio é muito grande pra mim, porque tenho duas mãos para sacrificar a melhor delas e porque não tenho escolha.

Facebook comments:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>