Estrelinhas de Ana Luiza Fleming

Eu queria te explicar algumas coisas. Você sabe que eu gosto de estrelas, né? Estrelas são corpos celestiais que emitem luz (comprimento de onda, sensível ao olho humano). Estrelas têm pontas. Cinco pontas. Pontas são a esquina de uma figura geométrica. Geometria surgiu da necessidade de melhorar o sistema de impostos em áreas de agricultura. Do grego “geo” = terra e “metria” = medida, os velhos egípcios foram os primeiros a usarem. Egípcios vem do Egito, um país árabe do norte da  África. Casa das pirâmides: figuras geométricas que possuem pontas. Tudo isso me lembra de matemática. Ah! A matemática…que me lembra interseção, que vem da teoria dos conjuntos. Conjunto. Conjunto é uma coleção de dois elementos que coexistem. Eu sou uma coleção de elementos. E você também. Coexistência. Ah! Coexistência, é uma outra história.

Outra coisa que eu queria te explicar é a saudade. Muito difícil essa. No inglês não existe tradução. É um substantivo. Sim! É um substantivo que expressa uma memória nostálgica, seguida de uma vontade enorme de ter de novo o que se perdeu. Perdas. Isso eu não quero explicar. Não, me lembra não-linear. Estruturas que não apresentam uma única direção, que apresentam múltiplos caminhos e destinos. E aí, eu lembro de interseção de novo. Destino me lembra mágica. Ciência oculta que estuda os segredos na natureza e sua relação com o mundo. Depois de conhecer você, eu sei o que isso significa. Eu também sei que química é muito mais que uma ciência que envolve os elementos constituintes da natureza.

Lembra geometria? Fala que a distância é o espaço entre dois corpos. Inteligente. Pra mim, distância é sinônimo de saudade. Na matemática, espaço é um conjunto, geralmente com alguma estrutura adicional. Na astronomia, espaço é onde as estrelas estão. Estrelas com pontas que brilham. Brilho depende da amplitude da onda. Comprimento de onda, de luz, lembra? O sol é uma estrela gigante cuja massa e volume sao 333.000 vezes maiores que a terra e a distância é de 150 milhões de quilômetros. Sol me lembra ciclos. Ciclos mostram a atividade do sol em períodos de 11 anos. Mas ciclos me lembram mesmo é desse texto. E me lembra da vida. Metafisicamente, vida é um constante processo de relações.

Relações me lembram amor. Amor é a formação de um vínculo emocional com alguém que é capaz de receber esse comportamento amoroso e alimentar as necessidades sensoriais e estimulações psicológicas afim de manter e motivar o sentimento. Amor pra mim pode ser resumido em uma palavra: você. Você que me lembra cores. Fenômeno óptico. Espectro de luz interagindo com o olho, que possui receptores de luz. Relacionado com comprimento de onda. Cores e mágica.

Rápido. Velocidade. Em Física, velocidade é a medida da rapidez com a qual um corpo altera sua posição, muitas vezes descrita tambem como razão entre a distância percorrida e o intervalo de tempo. Eu queria alterar a posição do meu corpo. E eu queria alterar o tempo.

E ai eu paro e penso. Pra que tantas explicações e definições quando meu maior significado é você? A gente sabe da nossa luz; nossa mágica; nossa química e nossa matemática; nossa “metria”, nossas pontas e interseções. A gente sabe da saudade, dos ciclos, do amor e das cores. Matemática pra quê depois de ter você?

Mas eu tenho uma teoria dos conjuntos. E ela é baseada em você, minha estrelinha.

Facebook comments:

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>